Tag -Educação FInanceira

1
Tire sua dúvida: Controlando as despesas do Cartão
2
Cuidados com o sal

Tire sua dúvida: Controlando as despesas do Cartão

credit-card-851506_1920_blogdozent

Uma leitora e colaboradora do blog me escreveu e-mail onde pergunta sobre como registrar em seus controles as despesas do cartão: se na data da fatura ou na data da despesa.  Parece-me ser não apenas a dúvida dela, já que o tema é recorrente em palestras ou atendimentos personalizados. Vamos à resposta a esta e outras dúvidas relacionadas!

Leia mais

Cuidados com o sal

kids-143022_1920_blogdozent

Aproveitando que hoje, dia 12/10, comemora-se também o Dia das Crianças – além do Dia da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida – optei por um de meus assuntos preferidos, o tema “Finanças e Crianças”. Leitor fiel e que me acompanha desde cedo, nas colunas que publiquei no Globo, sabe que tenho dois, a Maria Luiza, hoje com 20 anos, e o Rodrigo, hoje com 16. E desde pequenos foram acostumados a lidar e a conversar sobre dinheiro sem qualquer censura, respeitados, entretanto, alguns limites: não precisam, por exemplo, saber sobre saldos de contas, senhas e outros detalhes, até mesmo para sua própria segurança!

Bem, e qual a idéia central de tudo isso? Sinceramente? Acho que me sentiria estupidamente irresponsável se, após anos de vivência na área financeira e presenciando diariamente em meu “consultório” histórias de adultos mal resolvidos quando o assunto é dinheiro, eu deixasse passar essa oportunidade. Você, meu caro leitor, já imaginou o constrangimento que sinto quando, à minha frente, um casal na terceira idade, começa a discutir, brigar (e até chorar!) por descobrir que, a esta altura da vida, ambos gastaram demais e não têm qualquer reserva para emergências ou aposentadorias futuras? Haja água gelada e cafezinho, não é mesmo? Veja algumas sugestões:

(1) Restrições: Fazem parte da vida, e cada família tem a sua, em função dos próprios orçamentos. Desde cedo lhes mostrei as minhas e isso nunca lhes causou grandes desconfortos, pelo que entendi. Viver com alegria dentro da própria realidade é um grande desafio, que decerto os preparará para, no futuro, não participarem dos cadastros de inadimplentes. Dar uma mesada desde cedo, os acostumará a trabalhar com o conceito!

(2) Crises e ciclos: Comuns em qualquer economia, se desde cedo compreenderem que na vida há altos e baixos, meio caminho terão andado para, na fase adulta, traçarem suas próprias estratégias financeiras para os diferentes momentos. A crise que o país passa agora é uma excelente oportunidade de aprendizado… Sentiram, por exemplo, que temos ido menos a restaurantes, e da última vez que fomos, viram a quantidade de mesas vazias… Fizeram logo a ligação: “É a crise, não é, pai?”

(3) Origem: Saber que o dinheiro é o resultado do seu esforço também é muito importante, pois irá lhes dar uma boa dimensão do que precisarão fazer no futuro para continuar a usufruir dos seus atuais confortos: a mais velha já sente na pele tal dificuldade, ao perder sábados dando aulas remuneradas de monitoria, ainda que esteja toda-toda, por isso.

(4) Universo Financeiro: Explicar-lhes como funcionam bancos, contas, cartões, dentre outros, irá ajudá-los a viver no mundo atual. Rodrigo, por exemplo, reclama muito da tarifa cobrada na conta onde deposito sua mesada. Se soubesse que a CPMF poderá voltar… Xiiii!

(5) Preços: Sempre comentei sobre os principais itens que eles consumiam e hoje, como recebem mesadas e/ou aulas remuneradas, pesquisam bastante onde e o que comprar: Maria Luiza, oficialmente responsável pelas compras da casa – pois mora comigo! – em uma rápida manobra mudou de supermercado alegando que no anterior, com a mesma quantia comprava 103 itens, contra os 182 no atual. A-do-rei!

(6) Juros: Devagar e muito suavemente, usei exemplos numéricos para demonstrar o poder que uma taxa de juros tem sobre uma quantia parada durante um tempo e já sabem que os juros que recebem são bem menores do que pagariam se pedissem emprestado… Aí, pasmem, ouvi essa ao pedir R$20 ao Rodrigo para pegar um taxi: “Vai me devolver quanto? Empréstimos não pagam juros?” Devo ter salgado a Santa Ceia, pensei!

Um grande abraço e até a próxima!

Copyright © BlogdoZent. Criado por Designend.

View in: Mobile | Standard